Comentários

  • Eu não posso falar muito, pq não conheço como se desenvolveu o município de Pinhais, mas o autódromo existe desde 1967 e, se alguém tem culpa, são as seguidas gestões da Prefeitura e Câmara Municipal que tiveram a idéia de jerico de designar o entorno do autódromo como área residencial no plano diretor. Como 99% das coisas que se fazem no Brasil, não houve planejamento algum e isso levou pessoas a irem morar ali (por qualquer razão) e à eventual morte do autódromo.

    O AIC tinha um traçado curto, mas bastante técnico. O automobilismo brasileiro vai perder bastante com o desmantelamento do autódromo.

  • Os idiotas (sim, idiotas), constroem suas casas e compram seus apartamentos à margem dos autódromos e querem silêncio?
    Na Cidade Dutra, em Interlagos, existe a mesma chiadeira e um movimento para restringir eventos no autódromo para 10 finais de semana por ano, contando com eventos musicais.
    Esse mundo está insuportável.

  • Reclamam do barulho!
    Tem gente que mora ali em um edifício finalizado no ano passado. Ha quanto tempo o autódromo está lá? E aí aparece gente aqui mesmo dizendo que não se trata de especulação imobiliária. Que lá não é área nobre. Ora… Área Nobre se constrói. É só uma questão de publicidade e é exatamente isso que está sendo feito lá.
    Reclamam do barulho? Aposto que muitos destes que reclamam do barulho tem seus carros equipados com estes aparelhos de som que poluem as ruas com todo tipo de merda que eles chamam de música sem respeitar o direito dos outros. Ou se não tem, talvez seus filhos tenham. Mas disso ninguém reclama, afinal de merda hoje a grande maioria gosta.
    O autódromo vai deixar de existir. O som ensurdecedor continuará nas ruas, nos nossos vizinhos, nas praias e por todo lugar.
    Eles venceram. Nós perdemos… Outra vez. É melhor nos acostumarmos com a derrota.

  • Flavio, boa tarde!

    Só fico imaginando daqui alguns anos, essa area coberta de prédios, comerciais, residenciais, hotel, shoppings, um transito infernal, barulhento e assaltos, 365 dias por ano.
    Rí macaco!!!!!!

  • Sabiam que o autódromo faz barulho. Por que foram morar lá? Daqui a pouco o pessoal vai começar a reclamar de aeroportos também?
    Aqui em Goiânia quase o autódromo foi vendido para se tornar mais um condomínio de luxo, como os que surgiram ao seu redor de uns anos para cá. E o pessoal destes condomínios queriam o fechamento do mesmo, sob a alegação de que o barulho os incomodava. Ninguém os obrigou a morar ao lado do autódromo.
    As pessoas tem de entender que as escolhas que fazemos geram consequências.

    • Culpa do poder público?! Só do poder público?! Quer dizer que você compra um apartamento do lado de um autódromo, num prédio chamado “Condomínio Residencial Senna” (sim, esse é o nome de um dos prédios em volta do autódromo) e a culpa é toda do poder público?! Sério, as pessoas às vezes merecem se foder, mesmo.
      A propósito, o circuito de Ímola é cercado de prédios residenciais. Vai lá ver se alguém comemorou quando a F1 foi embora…

  • Aqui em Goiânia aconteceu praticamente a mesma coisa. Construíram vários condomínios fechados ao lado do autódromo, e depois entraram na justiça pedindo a retirada do autódromo dali porque o barulho incomodava nos finais de semana. Por incrível que pareça, quando a ação foi julgada, o juiz perguntou quem havia chegado primeiro: os condomínios ou o autódromo. A decisão foi a favor da manutenção do autódromo. O juiz declarou que, quando os atuais moradores se mudaram para lá, sabiam da existência do autódromo, e deduziu que os autores da ação também sabiam para que serve um autódromo.

  • O povo é esquisito… o autódromo existe desde 1967…..então as incorporadoras constroem predios de papel (sem isolamento acústico nenhum)…ai o cara compra….se incomoda…e o culpado é o autódromo… igual a aquelas invasões ao lado das linhas férreas……espertão invade e depois de algum tempo fica falando que o trem faz muito barulho, é perigoso….. eu pergunto… tanto o autódromo quanto os trens são objetos pequenos que não foram vistos antes??? Isso é igual comprar uma chácara e depois de certo tempo ir ao poder público reclamar que os pernilongos não me deixam dormir devido ao barulho…..aaaaa vão rachar lenha, varrer uma calçada……procurar o que fazer….

  • Eu moro do lado do Couto Pereira e prefiro o campo do que um condomínio. Pelo menos a barulheira é só duas vezes por semana, durante umas duas horas. condomínio seria “zona” o dia todo.
    Pensem nisso moradores de Pinhais.

  • Conversei com um cara que mora ao lado de Interlagos e ele também reclama da barulheira. Parece que a vizinhança até já fez abaixo-assinado para a prefeitura (não sei se é verdade, pois nunca li a respeito).
    Pô! O autódromo já estava lá quando ele nasceu e muito provavelmente, antes de seu pai mudar para lá. É fato! O barulho incomoda? Vai morar na p*** que o pariu! Vá morar em Elias Fausto, que só se ouve o barulho do vento e passarinhos!
    Digo e penso o mesmo sobre quem mora nos bairros próximos a Congonhas! Querem o quê? Derrubar o aeroporto para poder puxar um ronco legal?

  • Fiquei muito puto quando li a materia. Se não gostam de corridas, proque vão morar do lado do autodromo??. Não me venham com esse papo furado que sem opção. Não gosta de corrida vão para a pqp…

  • Podemos observar o que se faz nos outros países.
    Se não ficar dependente do poder público para arranjar terreno, compra-se um em área afastada mas acessível aos interessados. Quando as áreas habitacionais começarem a chegar perto, vende-se o terreno e compra outro mais distante, ajudando a desenvolver a região.
    Claro que não é fácil assim com escrever quatro linhas, mas as cidades grandes não tem mais espaço para fazer uma quadra de futsal. Não cabe mais mesmo um novelo de asfalto para usar uma vez por mês. É reconhecer isso ou se dispor a pagar o preço de ocupar um terreno no centro da cidade.
    Afinal, vendo categorias nos outros países é raro achar um autódromo no meio da cidade. Quantas pistas no exterior são no meio do nada. Digo não tem casa nem de passarinho para incomodar.
    Por exemplo, aquele autódromo em minas. Pelo que parece não tem nada perto. Daqui a vinte anos, esse blog certamente dará a notícia que ele está sendo realocado. Pronto, cumpriu seu papel, ajudou a desenvolver, ou mesmo desenvolveu a área ao redor com algo relacionado ao automobilismo – sede de equipes, museus, hóteis, como se vê em outros lugares. Se o brasileiro só gosta de putaria e não consegue desenvolver esse tipo de atividade, daí é outra conversa.

  • Olha o autodromo de Curitiba esta dentro de um dos mais requisitados e valiosos bairros da cidade. Para quem vendeu, e era particular fez um baita negocio e se fosse eu faria tambem porque automobilismo nao da dinheiro. Abria quantas vezes ao ano.. dez? doze? nao paga o IPTU de lah. Goiania quase foi pro vinagre e se bobear vai porque creio tambem ser particular..O negocio eh fazer corridas na rua como a Formula E.. veja no outro post seu o GP da Alemanha esta no bico do corvo.. Alemanha..a Italia soh fica porque se tirarem acaba o mundo.. ai legal ficamos com o mumdial de paises exoticos…em tempo Flavio nao vi nenhum post seu do show do David Gilmour

    • Primeiro, o autódromo não fica em Curitiba. E não está localizado numa área “requisitada e valiosa”, longe disso. Do jeito que você fala, dá a entender que o autódromo fica no centro de Curitiba, ou no Batel.

    • Sérgio, me desculpe, mas você é de Curitiba? Eu sou e meus falecidos pais trabalharam em Pinhais praticamente a vida toda, então conheço um pouco da história daquela região. Posso estar desatualizado, mas não lembro daquela região ser considerada nobre. A avenida Irai e seu entorno nunca foi muito valorizada, tanto que considera-se centro de Pinhais a região da Camilo de Lelis.
      O autódromo está em um terreno particular, se o dono quiser vender, vende, é uma pena, mas também considero ridículo alguém que foi morar ao lado do autódromo reclamar do barulho e, a desculpa do preço, não cola, pois tem áreas de valores muito próximos em distâncias equivalentes do centro de Curitiba, em outros bairros.
      Vale lembrar que o autódromo foi construido em 1967, e aquela região era praticamente rural.
      Me corrija e atualize se eu estiver errado.
      É só o que eu penso.
      abraços

  • É curioso morar em Brasília e ter a certeza de que, se o Plano Piloto nao fosse tombado , com a falta de grana no GDF aliada ao completo abandono do autodromo daqui e a sanha imobiliária que rola já teria jogado lá em Samambaia, ou em Goiás, a pista daqui!

  • O autódromo está desde 67 lá, quando tudo não passava de pasto.
    Então o pessoal vem morar do lado, e somente então, descobre que corrida faz barulho !!!!
    Detalhe que pelo vi alguns dos “reclamantes” moram em empreendimentos, provenientes de invasão.
    Devem ser os mesmos que depois reclamam da corrupção.
    O poder público também tem o seu quinhão de culpa, afinal, permitiu que empreendimentos residenciais construíssem no entorno.
    Ou seja tudo errado !!!!

  • Faz bastante tempo que começou o problema com os vizinhos do AIC. Nos anos 90 às vezes começávamos treinar nas quintas para as etapas do Paranaense. Eram dois dias inteiros extras de treino e diversão. Depois houve uma ação judicial da vizinhança e os treinos só podiam ser realizados na parte da tarde (em função do ruído). Ali a festa já tinha começado a acabar.

    Foi considerado na época o uso de silenciosos para contornar esta questão durante os treinos de meio de semana. Mas a ideia não evoluiu. Acho esta uma solução melhor do que deixar de andar. Quando há a restrição em função de poluição sonora.