TRISTEZA ALEMÃ

SÃO PAULO(quanto pessimismo) – Me chamou a atenção o prognóstico sombrio de Bernie Ecclestone sobre o GP da Alemanha. A corrida volta ao calendário no ano que vem, mas o baixinho acha que em 2017 já era. Porque, segundo ele, os alemães “perderam a alegria com a F-1”.

Estranho, porque uma equipe alemã domina o Mundial e um piloto alemão, Vettel, é um dos melhores do grid. Por que a alegria teria acabado?

O negócio é dinheiro, não alegria.

Comentários

  • A única salvação pra F1 seria a possibilidade de disputas concretas entre pilotos, onde o fator humano faria a diferença e não o fator máquina. Na minha opinião a F1 teve dois momentos sublimes onde a popularidade e audiência foram magnânimas: Ayrton Senna duelando com Prost e depois Alonso desbancando a Ferrari de Schumacher……se subtrairmos estes dois momentos do esporte veremos que a F1 sempre foi meio que estagnada!

    • “…se subtrairmos estes dois momentos do esporte, veremos que a F-1” teve outros três momentos não tão sublimes para a concorrência, mas impactantes para a história da categoria:

      1 – o passeio quíntuplo de Fangio em quatro equipes na década de 50.
      2 – os sete massacres de Schummy em dois milênios diferentes.
      3 – as quatro surras de Vettel no espanhol enganador.

  • Alemão é um povo muito centrado.
    F-1 é um espetáculo. Apenas isso, nada além disso.
    O alemão não se sente mais capaz porque tem “um alemãozinho do interior contra o mundo todo”. Arrisco a dizer que as corridas na alemanha eram mais cheias no autódromo antigo, antes de o queixada aparecer.
    O povo alemão tem outras preocupações, mais sérias.
    Conheci, ano passado, o Allianz Arena, em Munich. Me surpreendeu a beleza, o planejamento, mas antes de tudo, a simplicidade dos materiais que foi construido.
    Se for nos “estádios da copa do br”, veremos mármores, pedras, entre outros adereços que não existem por aquelas bandas.
    Bernie já se tocou disso. F-1 só existe hoje em cima de “novos ricos de dinheiro e vazios de cultura”.
    Abs!

    • Caraiiiiii Juan, que porrada com luva de pelica hein? Disse tudo em poucas linhas.

      Na real acho que o Bernie já se ligou que a vaca foi para o brejo e ele decidiu extorquir países emergentes o máximo que der. Tendo em vista que o rapaz sabe que não viverá mais que 10 ou 15 anos, ele quer engordar o pé de meia. Após ele partir desse plano para o próximo, acredito que em torno de 2022, quem sabe um novo líder, preocupado com corrida de carros apareça e resgate a velha F1, recolocando França, Alemanha, Holanda, no calendário, pois se o preço for justo, ninguém iria querer ficar de fora.

  • A FIA, FIFA e o COI perderam a noção de custos, tamanho e o que realmente esses eventos esportivos significam… Fico me perguntando se os estádios franceses usados na copa de 98 serviriam pra outra copa agora…. É tudo muito modificado, nunca ta bom…… Eu perdi o interesse por todos.

  • Que tem $$ nessa coisa toda, tem sim. Porem, creio que mais do que dinheiro, o que pode estar faltando é interesse mesmo. A categoria, por mais que se insista em dizer que não, vira e mexe ocorrem situações que não coadunam com esporte. Veja, que paira ainda hoje comentários sobre os primeiros títulos de Schumy por mais que ele tem se mostrado o melhor de todos os tempos depois dos eventos com a Benetton/Briatore nos primeiros títulos. Roubo de informações da Ferrari pro engenheiros da McLaren ( com ajuda de Alonso), contrato de pilotos que restringem a performance do companheiro …., e isso vem desde muito tempo ( se não estou enganado foi divulgado um contrato do Piquet com clausula restritiva para o pobre do Nakagima). E soma-se os circuitos, e corridas sem sentido em lugares sem sentido também. Isso tudo vai minando de uma forma ou de outra o esporte. Eu citei alguns casos, mas creio que um trabalho profundo, poderia nos brindar um numero enorme de situações. E os alemães podem ter capturado isso mais rápido do que os apaixonados latinos.

      • Sem graça pra você, Segafredo, que assistiu seu campeãozinho ser espancado até não poder mais.

        Ah, sim… sei… tinha um russo no caminho.
        É mesmo! A culpa do outro título perdido é do “maluco da primeira volta”…

  • Claro que é grana.

    A F-1 esta se perdendo, temos um regulamento técnico de merda aliado a uma visão de curtíssimo prazo que não foca na manutenção das eventos master da categoria.

    Um calendário da F-1 sem os GP´s da Alemanha e da França é o mesmo que os maiores torneios de Tenis de Mundo (Grand Slam) sem o Torneio de Wimbledon.

  • Só Vettel e Schumacher somam 11 títulos. O negócio é que o Harry Potter geriátrico quer aproveitar ao máximo as horas extras na terra e não abre mão, nem das horas extras nem do proveito que pode tirar delas. Porém (ai, porém, há um caso dif… me largue, Paulinho), não adianta correr dela nem atrás dela, a morte. Ela vem quando e como quer e não perde a viagem.
    Abs.

  • A Formula 1 morreu já há alguns anos ! O problema é que os alemães costumam serem mais inteligentes e sérios que a maioria dos outros povos ! Se o negócio é dinheiro, como você diz, eles procuram gastar e aplicar em coisas mais produtivas !

    • E mais, como eu disse alemão não é bobo ! A pista original de Nurburgring , felizmente preservada, virou local de diversão para qualquer um com alguns euros ! A pista nova com o mesmo nome é simplesmente medíocre ! E finalmente foram mutilando Hockenhein aos poucos até transforma-la em um verdadeiro kartódromo ! Vergonhoso, tudo em nome da Formula 1 ! Como querer que um povo perspicaz não perceba isto e deixe de lado a categoria moribunda !

  • Estive na Alemanha em julho/agosto e percebi uma certa indiferença dos alemães com a F1. Fiquei até espantado. Eu sempre citava esses dois pontos que vc colocou: equipe alemã dominante + Vettel.
    Não davam muita bola.

  • Se tu for analisar de modo sensato verás que nas categorias de Prototipos, a Alemanha esta muito bem, e nas categorias de GTs as quais temos pelo mundo 23 categorias que fazem atrativos à uma marca, isso satisfaz muito à Audi, BMW, Porsche e mesmo a Mercedes-Benz que tem muitos compradores em Asia…então, uma categoria cara e monotona como a f-1 ficou impraticavel e fora de questao de um fabricante sério e preocupado com o que o publico quer.

  • a única coisa que talvez conte, é que como lá é muito mais comum o automobilismo, as montadoras são grandes e tals, os caras precisam de algo mais para ser atrativo, se não vira uma categoria “normal” como qualquer outra.

  • Na “das land der dichter und denker”, o entretenimento é apenas entretenimento, e talvez o chefe do circo queira mais dinheiro do que vale..

    Aprendo muito sobre automobilismo no seu blog…

    Parabéns FG!

    Abs