Tarumã, 1971 | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

quinta-feira, 30 de março de 2006 - 20:04Automobilismo brasileiro

Tarumã, 1971

SÃO PAULO (onde era o Deck?) – Rui Pastor, que zela pelo passado automobilístico nacional, garimpou essa aqui e nos manda de presente. Tarumã, 1971.

Tá mal de grid? Dois Porsche na frente… Esses carros da equipe Hollywood eram um negócio. Para ler sobre essa corrida, e ver as fotos de Dulce Lee, é mais do que necessário bisbilhotar o site da Obvio !. Vocês vão delirar com as imagens. E o texto é dela…

48 comentários

  1. Antonio Stricagnolo disse:

    Precisa avisar alguem que no site Obvio o Furia ai da largada não esta com motor Alfa (FNM).O Furia da foto não é vermelho,portanto não é Alfa, ou FNM com queiram,é azul e tem o simbolo BMW na frente ,logo era o que estava equipado com motor BMW.

  2. Filipe W disse:

    Opa voltei, queimou a fonte do computador, e fiquei surdo, mudo e cego esses dias por causa disso, vamos marcar então.
    vou mandar email entrando em contato para marcar então !

  3. Caique Pereira disse:

    Felipe, Como moro no Rio, é só marcar.

  4. Filipe W disse:

    blz vamos marcar !

    eu tô no RJ, quem mais está ?

  5. joaquim disse:

    Ao Filie W e Caique,
    Tô nessa nesse chope aí, hem…?

  6. Caique Pereira disse:

    Felipe W.,
    É só marcar que chego na hora, aí poderei contar coisas que ainda não posso colocar no Blog e só quem sabe são os mais amigos – Tô falando de Carros… de Competição. É só marcar.

  7. Filipe W disse:

    Só pra para não esquecer ficou faltando a MOTOR 3 que tinha as reportagens do Marazzi.

    daqui a pouco tinha que marcar um chopp com a galera pra contar os “causos”. hehehe

    um abraço a todos

  8. joaquim disse:

    Ao Marcos,
    Desculpe a confusão, quando vc falou no Chateaubriand e F-3 inglesa, me lembrei do Marcos Moraes, irmão do José Morais, da Speed Motors carioca, que andou na Europa no mesmo periodo. Quanto ao Milton Amaral, me referia a um dos melhores pilotos cariocas dos anos 60 , já falecido. Milton Oliveira, me recordo de um, corria de Alfa 2150, não sei se é o mesmo. Continue a nos brindar com suas hilárias historias . Abs.

  9. Marcos disse:

    Respondendo ao Joaquim:
    Não, não sou quem vc está pensando !
    Mas acho que vc confundiu o Milton Amaral – Gigante Amaral, que era aqui de SP, com o Milton Oliveira – o Banana, carioca, e meu parceiro nos 1000 de Brasília, em 1974.
    Quando, como sempre, fomos recebidos de braços abertos pelo Ênio !
    O pessoal da Kinko fez o nosso box.
    Estórias da história: Eu estava andando de bengala, tinha passado quase 1 ano em um hospital, todo quebrado. E o Paulão Gomes estava na mesma, recuperando-se de um acidente de moto.
    Na véspera da prova, os nossos amigos, uns bons FDP, promoveram lá no Gilberto Salomão a corrida dos aleijados !
    A nossa vingança foi no dia seguinte:
    Os aleijados fizeram todos comerem poeira !
    Ricardo Aschar – um bota, grande acertador de carros, amigo e companheiro de muitas viagens !
    Em 1972, fizemos uma memorável ! Saimos de Londres, eu, ele e o Zampa – somando, isto já daria 100 anos de cadeia – e fomos de trem assistir o GP de F1 da Bélgica, em Niveille !
    E depois, de quebra, compramos uma Variant em Bruxelas, e voltamos para Londres com ela !
    Esta Variant foi passando de mão em mão por toda a brasileirada que baixou na Inglaterra !
    Bons tempos…

  10. Marcos disse:

    Hehehehhh…
    Você é a alegria das editoras !!!!
    Mas hoje, minha preferência está voltada para os mofos e só assino 2 publicações.
    Acho que são as melhores do gênero. Recomendo:
    1.- VICTORY LANE
    http://www.victorylane.com/
    2.- CLASSIC MOTORSPORTS
    http://www.classicmotorsports.net

  11. VELOZ-HP disse:

    Marcão, concordo plenamente, a Auto Esporte foi a melhor revista automobilística que tivemos. Era automobilismo da capa até a última página, e tinha também testes com motos feitos pelo Jan Balder. Tenho todas, encadernadas.
    Mas isso foi até 1974 quando foi lançada a Grand Prix, e aí o nivel subiu muito.
    Durou 2 anos mas foi inesquecivel. Tenho todas, encadernadas também.
    A Quatro Rodas nunca foi páreo para elas. A única coisa que tinha a mais eram os testes feitos pelo Marazzi, incomparáveis, os melhores, até hoje.
    As matérias-depoimento feitas pelo Emerson a partir de 1969 até 1982 são também únicas por sí só, o mérito da revista foi apenas publicá-las.
    O que mais me irrita nessa revista e em todas as publicações da Editora Abril, é a quantidade ofensiva de propagandas, tanto que desde 1992 não compro nenhuma revista dessa editora. Sou louco mas não sou otário.
    A Auto Esporte para mim morreu quando, após várias trocas de donos, acabou na mão da Editora Globo. Não a compro a aproximadamente 7 anos.
    Atualmente as revistas que compro com prazer são todas as de motos e todas as de carros clássicos, que são em até maior número que a de carros modernos e nesse nicho está a única revista da Abril que compro, a Quatro Rodas Clássicos.
    As duas de dragster, Super Speed e Auto Pawer, sou assinante.
    Essas são as nacionais, pois as minhas preferidas são as estrangeiras como as Motor Sport, Old Motor e Octane inglesas, a Automobile Historique francesa, as Auto di Ieri, Automobilismo D`epoca, Route Classique e Cavallino italianas, as Hot Road, Dragster e Hot VW norte americans, estas são as de carros pois compro também as de moto que são : Moto Sprint, Motociclismo, Motociclismo D`epoca e Moto Storiche D`epoca italianas, Classic Racers, Motorcycle Mechanics, Streetfaighters e Classic Bikers inglesas, a Option francesa, a Sport Rider norte americana, e a Motos de Ayer espanhola.
    Também compro livros e anuários que saem ao longo do ano referente a carros e motos.
    Tudo isso soma hoje, aproximadamente 9 ou 10 mil unidades que ocupam 2 quartos da minha casa, mais uma parte de um terceiro, que é a biblioteca que herdei dos meus pais composta de livros clássicos de filosofia, arte, história, teosofismo, enciclopédias, etc.
    Portanto, quando escrevi a uns blogs atráz que a única salvação para o nosso futuro no país era a cultura, eu falava a sério, muito sério.
    Abraços.

  12. joaquim disse:

    Caro Veloz HP, (ou devo chamá-lo de Leandro?), conheço a sensação de andar com equipamento bichado ou de segunda linha, fechando raia, por absoluta falta de grana, lárjant, money, massari- enfim o vil metal, o metal sonante. Me soldarizo, meu irmão, toma um fósforo, acende teu cigarro; toma de um trago e senta-te à minha mesa. Abs,

  13. Marcos disse:

    Este VIRGO deve ser veiado…
    Vai tomate cru, rapaiz !
    Aqui é lugar de falar de mofos !
    Sexo, quem pode faz !
    Quem não pode, comenta !
    VC deve ser um infeliz de b.u.n.d.a inchada de tanto pé que tomou…
    Junte $100, se vc conseguir, pague um mixê, limpe o pau na cortina, saia de banda e não encha mais o saco !

  14. Marcos disse:

    VELOZ HP !
    Então você é, definitivamente, mais um louco-de-corrente !!!!
    Só para registro, gostaria de saber:
    Você joga pedra em avião ?
    Briga com a própria sombra ?
    O Newton Pereira tinha o muquifo alí em Moema, acho que na Av. Aratans.
    PARA REGISTRO 1:
    A Auto Esporte foi a melhor revista de automobilismo de todos os tempos !
    Boas fotos e excelentes reportagens.
    Até o Zampa, a coisa andou !
    Depois, virou %!@$&@#..
    Quatro Rodas só no tempo do Marazzi !
    Com o Carsughi, desandou.
    E hoje só tem idiotas excrevendo (ex de excrementos…)
    PARA REGISTO 2:
    Hoje encontrei o Ferreirinha em Interlagos !
    GRANDE FIGURA !
    O putruco está tinindo !
    Ele ainda tem um HEVE !
    Está a venda !
    Quem se habilita ????

  15. VELOZ-HP disse:

    Marcão, não sou o Newton Pereira, o índio lá do Tatuapé, apesar de que quando eu era garoto, ia sempre até a sua oficina para vêr o seu protótipo Div. 4 e o Chevette Div. 3.
    Meu nome é Leandro Peduto Alfonso, moro em São Paulo, Capital e sou um doido por carros e motos desde antes de poder falar gugu-gágá.
    Participei de algumas corridas de Kart no início dos anos 70, já andei de Dodge e Maverick em Interlagos nos anos 80 mas foi só. Não tive dinheiro para mais.
    O que sempre mantive até hoje, é uma biblioteca razoavelmente grande com tudo o que pude comprar de livros e revistas, nacionais e estrangeiros, muitas fotos, vídeos, dvd, etc. sobre o mundo do automobilismo e motociclismo.
    Fora isso, montei um álbum de fotos de corrida com aproximadamente 3 mil folhas, perfazendo 6 mil páginas em formato A3, com imagens que recorto de revistas e livros que já tenho e que compro em sebos ou bancas de usados e colo-as em estilo mozáico, preenchendo todo o perímetro da folha, dos dois lados e que dão hoje um total de 750 metros quadrados de área coberta com fotos só de carros e motos de corrida, todas misturadas e agregando todas as categorias em todas as épocas.
    Como esse formato de papel é um pouco grande e meio desconfortavel de se manusear, criei há alguns anos esses mesmos álbuns de fotos, só que agora no formato A4.
    Já estou no 25º volume, com 200 folhas cada um, perfazendo um total de 620 metros quadrados que somados aos 750 totalizam 1370 metros quadrados de fotos.
    Além disso, montei livros com todos os testes de carros e motos publicados, separando-os por temas específicos como : carros de competição do Brasil, do exterior, motos de competição do Brasil, do exterior, meus carros brasileiros preferidos, esportivos brasileiros, estrangeiros, motos dos anos 70, 80, 90, 00, e por aí vai. Já são mais de 14 livros “montados”.
    “Montei” também um livro com todas as reportagens que o Emerson Fittipaldi mandou para a Quatro Rodas desde que êle foi para a Europa correr de F Ford em 1969, relatando os treinos, tomadas de tempo e corrida, tudo de F Ford, F3, F2, F1, Esporte Protótipo, testes, enfim, tudo o que êle participou e foi publicado, juntei tudo cronològicamente e deu um livro de aproximadamente 2200 páginas.
    Todo esse acervo compensa, em parte, a minha não participação em competições a motor, pois dêle retiro horas magníficas de relax total, longe desse mundinho bos.ta em que vivemos e me permite ficar junto ao mundo que amo, dos esportes a motor, e melhor, em todas as épocas, como numa máquina do tempo.
    Como disse Abraham Lincoln:
    ” As pessoas são, em geral, tão felizes quanto decidem ser. ” , e podem ser, acrescento eu.
    Abraços.

  16. Filipe W disse:

    Oi Joaquim,

    valeu pela informação, e aproveito para ratificar aquilo que vc me perguntou sobre o Lorena, finalmente achei, nas revistas de época, e realmente o Lorena que o Giu ganhou os 1000 km da Guanabara foi montado em cima da mecânica de um dos KG Porsche da Dacon, ufa essa deu trabalho, tem até uma foto na quatro-rodas mostrando o carro com pintura do colégio arte e instrução, pena que a foto fica na quebra da página e fica meio ruim de escanear pois como a revista é velha corre o risco de desmantelar tudo, mas se achar alguma outra foto te mando.

    Um abraço

  17. vIRGO disse:

    Interessante mesmo é nehum dos marmanjos que postaram seus comentários aqui ter reparado que a moça em questão, além de talentosa, era uma gatona… deve ter feitoo maior sucesso naquela época. Um monte de marmanjos e ninguem para reparar no que é realmente importante! Tá feiaa coisa….

  18. joaquim disse:

    Um recado pro Filipe W.
    A respeito de um comentário seu, alguns posts atrás, fiquei sabendo que o Neudy Geraldes, construtor do Geraldes Especial, aquele protótipo com motor DKW na traseira, possui um hangar para recuperação de aeronaves antigas no Aeroporto de Maricá. Quem tiver a oportunidade de passar por perto pode dar uma checada. A propósito de protótipos DKW (pelo jeito um tema recorrente aqui no blog), alguém se lembra do protótipo do Marcos Jardim? Tem uma história ótima a respeito desse carro que eu conto em outra oportunidade. Abs.

  19. joaquim disse:

    Grato, meus jovens, é um prazer lidar com vocês. Agora, Marcos, me lembro do Enio Garcia com um protótipo de um F-Vê, seu famoso Fusca 12 da Brasal (em parceria com o Antonio Martins) e o belíssimo Elgar GT-104.Finalizando, será que o Veloz Hp é mesmo o Newton Pereira?

  20. Marcos disse:

    Será que o VELOZ HP é o Newton ??? Duvido…
    Mas se for, Newtão, cadê o serpentário ????
    Hahahahahhh….

  21. Marcos disse:

    Joaquim !
    Não sei muito do Patinho Feio !
    Mas acho que o Ênio fez o primeiro com um chassis encurtado de VW.
    A Brasal sempre deu o maior apôio para o pessoal !
    Preciso registrar aqui a maior invenção do Ênio: A secretária !!!!
    Chama-se Maria Amélia !!!
    Um avião de 18 turbinas !!!!
    Coisa mais linda….

  22. Marcos disse:

    ALEXANDRE GUIMARÃES !!!!
    Um grande amigo !!! É outro que deixou saudades !!!!
    Além do ARANAE F-Vê, foi o “inventor” do bug no braZil !
    E um dos sócios da Kaiman, junto com o Otto Kuttner e o Giraldes.
    Para quem não sabe, o Otto é um austríaco muito louco, que assinou o projeto do SP2 !
    Grande amigo ! Tomava todas ! E hoje anda quietinho lá por Atibaia !
    E o nosso grande amigo Alexandre, humildemente, terminou sua vida trabalhando comigo, e me chamando de chefinho !!!!!

  23. Marcos disse:

    Vitão !
    O Passarinho era um descompensando ! Um louco-bom !!!
    Gente finíssima !
    Mas aquele VW verde-periquito só pulava na frente do meu Cuda até a 2nd marcha.
    Dai prá frente, era só no binóculo ….

  24. Caique Pereira disse:

    Joaquim,
    Quando digo que o Patinho Feio serviu de base para o P4, é que apenas um modelo foi produzido e o mesmo foi restaurado por um amigo meu aqui da Tijuca e depois foi vendido ao Paulo Trevisan lá de Passo Fundo/RS

  25. Caique Pereira disse:

    Caros Joaquim e VeLoz HP (acho que vou chamá-lo de Newton Pereira),

    Tambem peguei minha AE e confirmei que voce está certo, pois o Furia foi pilotado pelo Jaime. Com relação ao Patinho, o Joaquim está certo, os Moraes foram os primeiros que ganharam este apelido para o Aranae modificado pelo Herculano Ferreirinha (HEVE) , tendo também participado desta maluquice o Ricardo Ashcar. O Carro foi pilotado realmente pelo Mauricio Chulan algumas vezes e ganhou uma corrida em Interlagosem 1970, se não estiver enganado. Foi realmente a base para os HEVE P4,P5 e P6.

  26. ingo hofmann disse:

    Estes porches e aquelas GTA vi correr algumas vezes. Eta saudade……época boa….

  27. VELOZ-HP disse:

    Caro Caique Pereira, você disse que o Fúria BMW nessa corrida foi pilotado pelo Agnaldo de Góes. Fiquei na dúvida, pois constumo escrever tudo de memória, mas dessa vêz eu tinha quase certeza de que era o Jayme Silva e então, fiz o que deveria sempre fazer antes de escrever algo aqui e então, fui consultar essa corrida nas minhas revistas da época e encontrei na Quatro Rodas nº 134 de setembro de 1971 a reportagem dessa corrida, inclusive com essa foto aí estampada na pag. 117 e lendo a matéria, constatei que eu estou certo, quem pilota o Fúria BMW é o Jayme Silva mesmo.
    Além disso, constatei que essa corrida foi a estréia da Equipe Hollywood, cujo patrocínio fora assinado no dia 22 de julho na fábrica da Souza Cruz em Porto Alegre, um mês antes dessa corrida.
    Esse é um fato histórico, pois essa foi a maior e melhor equipe de competições no Brasil até hoje.
    Portanto, Caique, apesar de eu estar certo, te agradeço pelo comentário, pois êle me provocou a curiosidade e dela descobri outros dados importantes da história do nosso automobilismo.
    Valeu.

  28. joaquim disse:

    Ok, jovens, assumo meu erro: o Furia é mesmo o da CEBEM, no. 9 e não o 84 do Pedro Victor. Mea culpa, mea culpa.Agora, Marcos, se vc for quem eu estou pensando (pessoal da Speed Motors, José Morais e Cia), vai me ajudar a restabelecer uma verdade histórica: essa história de Patinho Feio começou com chassi Aranae de F-vê alargado e empurrado por um motorzão VW. Quem andou primeiramente com ele foram o Ricardo Achcar e o Milton Amaral . Depois veio outra versão, já post Camber, do Ferreirinha, que andou com o José Morais e Mauricio Chulam, precedendo o que seria depois os Heve-P5 (me ajuda, Antigo, Veloz HP ou Filipe W). O Camber entrou nessa onda por obra e graça de um reporter da QR que, por falta de criatividade, resolveu batizar o mesmo com o epíteto. Mas, verdade seja dita, o primeiro foi mesmo o Aranae alargado. Abs. a todos

  29. vitão disse:

    Brigado Marcos. O seu conhecimento do Deck prova que vc é BEM mais velho do que euzinho…
    Só conheci o segundo Deck e os rachas eram na marginal pinheiros (tinha um uirapuru com motor Offy), na praça do relógio e no começo da Av. Dos bandeirantes, antes dela descer e emendar na imigrantes.
    Vc coneceu o fusca do passarinho, com motor 2.300 e turbo? abs.

  30. Marcos disse:

    Nós colocamos no BMW descapotado o apelido de “esquife” !
    E era um descapotado mesmo !
    Foi mais fácil tirar a capota do que arrumar !
    Acho que meio mundo andou no esquife !
    Lembro do Paulão Gomes, Fausto Dabbur (por onde anda ?), o Omelete, e mais quem estivesse por perto !

  31. Marcos disse:

    O Agnaldo de Goes era o dono da CEBEM !
    E também foi presidente da Federação Paulista de Automobilismo, depois do Marito Cintra Gordinho.
    (ou antes, agora não tenho certeza)

  32. Marcos disse:

    José Pedro Chateaubriand !
    Grande figura e companheiro dos bons tempos de F3, March e Londres, nos idos de 1972.
    História da história: O Ava tinha comprado um MacLaren M23, para correr na F5000.
    Quando o carro ficou pronto, os donos daquelas BRM que se incendiaram no transporte, na Copa Brasil de 1970; entraram com um arresto desta MacLaren !
    O baixinho ficou louco ! E com toda a razão, porque aquele incendio foi provocado, com certeza por encomenda dos próprios donos !
    A coisa acabou indo parar nos tribunais de Sua Magestade !
    E as testemunhas do Ava foram o Zé Pedro e eu !
    O Ava perdeu o MacLaren !
    E o Chatô morreu muito môço !
    Dois amigos que deixaram saudades !

  33. Caique Pereira disse:

    Joaquim e Veloz HP,
    O AMOK é também conhecido como Camber, o outro é o Patinho Feio(vide o livro do Alex Dias Ribeiro) e o Fúria BMW estava sendo pilotado pelo Agnaldo de Gois, para quem o carro foi construído.

  34. Marcos disse:

    Né-Não !!!!
    O DECK verdadeiro ficava ao lado do America, onde hoje há um prédio.
    O da Renato PB, fora o nome, não tinha nada do original !
    Êita tempo bom !
    Os rachas das 6a.feiras nas “4 pistas” marcaram época !

  35. vitão disse:

    FG, o Deck que eu conheci ficava na R. Renato Paes de Barros, onde funciona hoje o Barbacoa, bem próximo da 9 de julho.
    Acho que o primeiro deck ficava no quarteirão antes do América, próximo da Bandeira Paulista.

  36. Milton de Mello Bona disse:

    Flávio Gomes,

    Se é o Deck que eu estou pensando, ficava na 9 de Julho perto do que é hoje o América. Tinha muito racha no sábado de madrugada lá.

  37. Filipe W disse:

    Olá para todos, pergunta, esse prot[otipo amarelo na frente do Casari foi feito com os restos do Caçador do Bica ?

    Aproveitando o embalo, alguem sabe se o Lobo 7 do Camilo ainda existe e só para confirmar, se ele usava motor v8 Chrysler ?

    Obrigado a todos !

  38. VELOZ-HP disse:

    Joaquim, você está certo quanto ao protótipo AMOK , mas quanto ao FÚRIA o Marcos é que está certo.
    Acrescento que quem o pilota é Jaime Silva, que no ano anterior pilotava um lindo BMW 2002 “descapotado” que era um show e andava muito.
    Atráz dele está a Alfa GTA da equipe Jolly pilotada por Alcides Diniz e atráz dela a linda Puma 1900 do José Pedro Chatobrian (acho que escrevi errado esse nome) , e atráz da outra Alfa o Opala do Sgarbi e no outro lado o bico do protótipo do Casari que está enchendo o V-Oitão em plena aceleração com a compania do McLaren da equipe do Greco.
    Essa foi “a época” galera.

  39. Marcos disse:

    Né-não !!!
    Este é o Furia BMW da Cebem !
    O Furia-Chevrolet do PV era azul escuro !

  40. joaquim disse:

    Desculpem por insistir, mas o Fúria em questão é do Pedro Victor de Lamare e, atrás do Caçador, o bico do Casari A-1 (Jan Balder?) ao lado do Manta do Luis Moura Brito, se não me engano.

  41. joaquim disse:

    O Fusca à esquerda é do Roberto de Loreto. O protótipo aqui não é o Camber e sim o Amok, construido pelo Luis Estevão em 69 em Brasilia (salvo engano pelo Lua, que hoje trabalha com o Piquet). O Alex fez um acordo operacional com o Luis Estevão dando o suporte técnico via Camber, enquanto dividia o volante com o Luis estevão e esse entrava com o ($$$) vil metal, daí é fácil se confundir.
    Para o Peralta: não te disse que havia um Caçador II? Abraços a todos

  42. Tony Speed disse:

    Desculpe fugir do assunto, mas realmente esses eram bons tempos, principalmente o final da década de 1960 e início da década de 1970!!!!

    Hoje a coisa mudou!!!!para pior…..

    Agora o negócio é esperar o Travódromo de Canelinha/SC ( aquele que parece o Raceland de Curitiba, vitaminado!!!)

    É amigos, e vamos nós com os Tilke Travódromos do século XXI!!!! É proibido ultrapassar!!!!!

    Adeus velho Nurburgring e seus maravilhosos 23 km de extensão!!!!

    Resumindo: O que vocês acham de STOCK CAR JR. NO TRAVÓDROMO!!!!!!!! hahahahaha!!!!

    Autorama em escala 1:1 hahahaha!!!!!

    Tenho inveja dos argentinos e seus mais de quarenta autódromos!!!

    pergunta Carlão Trivelato, tú és irmão do Mário, de São Pedro/SP?

    Abração

  43. walter disse:

    Luis Pereira Bueno no Porsche 908 (nr. 11), Lian de Abreu Duarte no Porsche 910 (nr. 12), Jayme Silva no Fúria FNM, Alex Dias Ribeiro no Camber (nr. 17). Fusca adava muito mais que o Puma que tá ali atrás.

  44. Angelo Gomes disse:

    legal é ver o Fusca largando na frente da Alfa….

  45. Caique Pereira disse:

    Tohmé, Peralta e Silvestre, alguns comentários:
    O Fusca eu preciso dar uma olhada nos meus Alfarrábios para saber de quem era. O Fúria era de um piloto chamado Agnaldo de Gois que utilizava motor BMW (este Fúria está sendo restaurado pelo Paulo Trevisan – Ver O Globo de ontem). Agora o mais legal é ver o protótipo de numero 17, conhecido como Camber, sendo nesta prova pilotado pelo Alex Dias Ribeiro, porém quem financiou a construção deste carro junto ao Alex foi um carioca amigo dele naquela época, um senhor hoje bastante conhecido e que várias vezes correu com este protóti´po em provas nacionais: nada mais nada de menos que um tal de Luís Estevão, aquele mesmo, que foi Senador, foi cassado, dividiu parte da grana do Tribunal do Trabalho SP do Lalau, com o próprio e segundo o Toninho Malvadeza, machucava (aquilo mesmo) a Senadora Heloísa Helena nas horas de “aconchego” e hoje é dono do Brasiliense.

  46. Silvestre Zanon disse:

    O penúltimo à esquerda é um fusca?

  47. Tohmé disse:

    reparem o Fúria azul, atrás do porsche. É o pai do Bianco….(hi, hi)

  48. prperalta disse:

    Olá,
    Foto legal, lá no meio aquele carro amarelo é o protótipo do Bica Votnamis, construido com o que sobrou do Caçador de Estrelas. Tem também o Furia do Jayme Silva.
    O resto fica por conta de vcs.
    Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>