MENU

Tuesday, 10 de November de 2015 - 11:18Motoland

MOTOLAND

mobylettelindaQuem já teve uma? Ou Puch, ou Garelli, ou Monareta? Andava de capacete? Ia pra escola? Colocava óleo de rícino no tanque?

 

44 comentários

  1. Ricardo says:

    Conquistei minha mulher com uma caloi XR 1980 quanta saudade
    pena que não podia ver aguá que não pegava kkkk

    abraços

  2. Pablo Emilio says:

    Naftalina moida no tanque ” pra andar mais” também

  3. sandro says:

    Tive uma Garelli T50 azul metalico, coisa linda e dificil de fazer pegar, kkkkkkkk

  4. Roberto Fróes says:

    Tive 2 coisinhas mais ou menos parecidas.
    A 1ª, um NSU cinquentinha, segundo me constava, de 1945. Meus amigos diziam que devia ter sido de algum estafeta do Hitler.
    Só que em consultas posteriores (viva a internet) não consegui identificar essas motos em 1945.
    Depois tive algo já bem melhorado, uma Zündapp cinquentinha, mas não lembro o ano.
    Não me lembro de ter usado óleo de rícino em nenhuma das duas.
    Mas usei Castro R na Jawa 250 1954 que tive depois.

  5. paulo cesar says:

    monareta 1958 curitiba
    verdinha clara na época nao existia capacetes , rs
    bela maquina , 02 marchas
    na descida , abaixado dava 60km.h
    um show na época
    usei até ela se acabar
    por uns 04 anos
    saudade

  6. charles says:

    Na minha região, a Mobylette virou sinônimo de motoneta. Eu tive uma motoneta Agrale XT (que eu chamava de mobilete), era a coisa mais linda do mundo, nada mais me importava, somente eu e ela, sem capacete acelerando. Era vermelha com as rodas douradas, nossa agora viajei legal, quantas lembranças me vieram à mente. Vejo que precisava de pouco pra ser feliz. Obrigado FG por me fazer recordar. Abs fumacentos.

  7. Luc Monteiro says:

    Mobylette… Foi a primeira coisa que acelerei na vida, em época que era a condução da família. E depois um similar da Agrale, não lembro que nome tinha. Sempre de capacete, caso contrário o pai não deixava.

  8. Paulo F. says:

    Apesar da Puch ser top, o Rolls Royce era a Ponei da Brumana Pugliese com seu cambio de 3 marchas.

  9. Tenho uma Caloi Mobilette guaradada na garagem.

  10. deleinovich says:

    Tive uma Garelli, de cor ouro no inicio dos anos 80. Nao conhecia capacete, ia para a escola direto com a motoneta. E o principal, a primaiada vivia em casa para dirigir a motoneta

  11. Power Guido says:

    Morava em Serra Negra e aos treze anos pedi uma Mobilette pro meu pai. Ganhei um tabefe na orelha e as sábias palavras: quando você trabalhar poderá comprar quantas quiser. Pois bem, fiquei ajudando um tio durante um ano e consegui juntar o dinheiro pra comprar a minha tão sonhada mobilette. Ja tinha 14 anos, em 1982 quando fui na Jumbo-eletroradiobraz pra comprar e o vendedor me convenceu a levar uma Garelli 3. Prata. Muito melhor, andava mais, tinha um tanque enorme com uma excelente autonomia. Fiquei 6 anos com ela. Nunca usei capacete, nunca fui parar no juizado de menores, andei muito com ela. Nunca apresentou problemas, apenas manutenção normal. Acabei vendendo para um senhorzinho que me encheu o saco para comprá-la. Não tinha mais zero km pra vender. Me arrependi demais. No começo deste ano um conhecido falou que tinha uma mobilette e ia dar baixa no chassi pois ele não licenciava desde os anos 90 e recebeu uma carta do detran falando que ia colocar o nome na divida ativa e tal. Fui olhar e na realidade era uma Garelli 3, igualzinha a minha. Toda original. Inteirinha. Ele me daria de presente com a condição de regularizar a documentação. Estou restaurando ela. Linda. Original. Não vendo nunca mais.

  12. Jayme says:

    Meus pais não me deram nem a pau uma, quem foi adolescente nos anos 70 sonhava com uma, meio caminho andado pra descolar uma “mina”. Só odiava aqueles tais escapamentos dimensionado que faziam um barulho dos diabos.
    Agora quem é do meu bairro já cruzou com esse sujeito e sua inseparável Mobilete:
    https://youtu.be/1-1iYVYMYmA

  13. Matuck says:

    Tive uma Monareta. Meu irmão, uma Mobylette.

    Eram nosso meio de transporte para todos os lugares: colégio, clubes, até viagens curtas pelo Sul de Minas. Sempre de capacete. Uma vela mais quente, relação modificada, filtro de ar menos restritivo… Ficavam legais.

    Estão entre os melhores anos da minha vida.

  14. Marcio Rodrigues says:

    Esqueceu da Alpina!

    Tive.
    Mas a que mais andei foi uma agrale que o vizinho deixava com meu pai quando saia de férias…

  15. Leoni says:

    Fui muito feliz com minha caloi preta e verde, usava para ir a escola, fazia entregas do escritório, sem capacete, sem cnh… andava até em sitios, estradas de terra, que tempo bom.

    Estou acompanhando via FAcebook (como Aventure & Vous) dois franceses que estão dando a volta na america do sul de mobilete peugeot.

  16. Cranio says:

    Eu tive uma azul… Fazia até cross com ela na adolescência… =)

    Óleo de rícino não cheguei a colocar, mas gasolina de avião sim… A bichinha dava VDO fácil na descida…

    Bons tempos… Nunca usei capacete para andar nela e nunca tive problemas. Tomei alguns tombos, mas nunca me machuquei. Só as queimadas de perna no motorzinho. Tenho um conhecido (jardineiro) que tem uma até hoje e usa para trabalhar todo dia.

  17. Filipe Archer says:

    Tive Mobyllete, azul, ano 88. No final do ano já estava toda pelada e com guidon de extra-light, para poder empinar melhor…

  18. Mauro W says:

    Eu tive uma Puch azul… e ia pra escola com ela e sem capacete, lógico!
    E antes disso, tive uma Velosolex, com o motor na frente. Essa eu queria muito recuperar.

  19. RENE FERNANDES says:

    Ambicionava uma Puch, pois meu primo tinha uma, mas, durango que era, acabei comprando uma Velosolex de segunda mão. Fazia um barulho dos diabos!! Andava sem capacete e sem habilitação e tinha uns guardas, na rua Mem de Sá (R.J.)que não curtiam e eventualmente, levava uma dura dos “homi” ! Era um piloto de terceira a infernizar a vizinhança com o barulho, mas tinha estilo, com aquele motor na frente….Bem francês….Dava vontade de comprar umas baguetes…

  20. Rodrigo Moraes says:

    Tive Mobylette Caloi, escape dimensionado (uma barulheira dos infernos), ponteira de alumínio que a gente fazia com tubo de desodorante Brut do Paraguai, coroa de Puch pra alongar a relação final. Pisava no escapamento nas subidas pra “embrear” e compensar a relação mais longa. Cortava a saia do pistão pra aumentar as janelas de admissão e escape. Rodava com álcool misturado com Castrol M-50, que delícia de cheirinho… Quebrei uma perna e um monte de dentes com ela. Capacete nem sabia pra que servia.

  21. smoker says:

    tinha uma RD50 q era um canhão andando no vácuo da Deca porta suicida!
    final de 150! …e só usava castrol 2T com gasolina de aviação!

  22. Paulo says:

    Ninguém usava capacete, acho que só era obrigado na estrada. Quem tinha uma dessas era o rei da cocada preta (expressão tão antiga quanto a Mobylette) da rua. Óleo de cozinha no reservatório, pra dar aquele cheirinho de bife frito.

  23. Alexandre Bento says:

    Quando eu tinha 16 anos…putz vou fazer 51… meu tio comprou uma zero. Eu andava “junto” com os colegas que tinham RD-50 e depois CG 125. Esta Mobilette encontra-se em perfeito estado de conservação (a pintura já desgastada e a lanterna traseira não original)… de vez enquanto é ligada, mas meu tio agora com quase 80 não anda mais com a “motinha”.

  24. Jonatas says:

    Monareta.
    Capacete aos 15 anos de idade? Pra quê, somos todos invencíveis naquela idade.
    No tanque só mistura de gasolina com óleo 2T.

  25. Marcelo says:

    Caramba, que legal! Altas aventuras com a minha nos anos 80 no interior de SP. Eu e os amigos descarbonizávamos os escapamentos das nossas na rua mesmo, raspando o carvão que formava. Óleo de rícino de vez em quando era de lei. Tinha um óleo também, acho que de competição (M50?), que a gente conseguia às vezes. Assim como gasolina de aviação (o aeroporto vendia em galão!), que era meio cara para as nossas posses. Me lembro que no retorno de um bairro mais elevado, com muitos quarteirões de descida, a gente pisava no motor para arrancar a correia e descer na banguela, com ela desligada. Capacete nunca tive. Só um ray-ban espelhado. Saudades…

  26. Marcello says:

    Comprei uma PUCH por Cr$ 8800,00 na Mesbla de Niteroi em JAN 77,tinha apenas 10 anos e as importaçoes de moto tinham acabado de ser proibidas.Na epoca a Mesbla revendia Motovi e Suzuki .

  27. Carlos Pimenta says:

    As Garelli gordinhas, aquelas rodinhas pequenas eram bonitinhas, a Mobilete eu achavam que demoravam a pegar velocidades. Acho eu. Mas as Puch, ai sim, lembro uma vez saiu uma matéria na DUAS RODAS, de um Puch ai em SP que atingia altíssimo 100 km. Foi a sensação para a molecada.

  28. Ronald says:

    Tive uma, a versão remodelada dessa da foto, com uma pintura cinza-azulada e para-lamas cromados. Ia ao Liceu Salesiano aqui em Campinas, meados de 1982 e 1983. Não usava capacete, tampouco havia necessidade de por placa. Adorava-a!

  29. Nelson Pasini says:

    Quando com 10 anos de vida (1961) o ciclomotor da moda era a Leonet, montada no Brasil pela fábrica de máquinas de costura Leonan (Manoel ao contrário e nome do dono da fábrica.
    Em 1979 Seu Mário meu pai comprou uma Mobylette na cor prata para todos da casa. O melhor dos pilotos foi a Dona Teresa, minha mãe que ia a feira fazer compras. Detalhe a idade dela: 52 anos o maior barato.

    Nelson Pasini

  30. darcy becker says:

    Ainda tenho a minha maxi puch 1972, comprada zero quilômetro no Porcão da Penha no R.J., com manual e tudo, e lendo nos comentários vi a coincidência pois aprendi a andar nela com 8 anos e foi na cidade serrana de Teresópolis.

  31. Paulo F. says:

    Puch, com cilindro de cromo duro! Óleo ? Se tinha grana Castrol TT, duro até óleo de soja! Gasolina desde verde de aviação até a mais barata possível! Vela era B9Hs!
    Era Indestrutível !
    Capacete? O que é isso?

  32. Marcelo says:

    Eu tive uma Monareta! Coisa linda de Deus! Mandava oleo com a gasolina, ia pra escola sem capacete, dava aquela pedalada basica pra ligar. Saudades!!!

  33. Luiz Fernando Dresler says:

    Tive uma Garelli Katia e uma Mobilette Azul, mas logico que andava sem Capacete!!

    Colocava M50 na Mobilla que tinha escapé Sarachú…rsrs.

    Bons tempos.

    Luffe

  34. Bruno Cardoso says:

    Sonhava em ter uma Garelli, mas os meus pais achavam muito perigoso.
    Quando fiz 16 anos, comecei a trabalhar e comprei uma Mobilete. Meses depois, acabei me envolvendo em um acidente com uma carroça e um Puma, que destruiu a Raimunda, como eu a chamava. E o que restou, foi dado como pagamento no conserto do carro de fibra.
    Três anos mais tarde, acabei comprando o mesmo Puma, meio sem querer.
    O carro tinha o recibo “fechado”, em nome de uma desconhecida Raimunda.
    Coincidências da vida.

  35. Marcelo says:

    Nunca tive ciclomotores, mas ficava (mal) impressionado com as Velosolex e seu motor dianteiro que causava alguns tombos nas curvas arenosas do Jardim Virgínia, no Guarujá.

  36. Daian says:

    Nesse tempo também havia dois modelos 50cc da Agrale. Um deles tinha tanque horizontal. Alguém lembra?

    • Alexandre Zamariolli says:

      Na verdade, eram três versões: a SS, mais simples (sem retrovisores ou velocímetro), a SL, intermediária, e a XT, topo da linha. A SS e a SL tinham quadro aberto e a XT vinha com o tanque tipo moto.

  37. Nelson Damasceno says:

    Tive uma Push (Maxi Super Motovi) . Tinha 15 anos e ia para a escolar aqui em Teresópolis. Ninguem usava capacete na minha turma, só os mais velhos com motos grandes (tinha a 400 da Honda na época). Aqui em Teresópolis certas ladeiras só pedalando… Bons tempos!

  38. Enrico says:

    Tive Puch, comprada na Sears da av. Francisco Matarazzo, colocava naftalina no tanque e tirava o miolo do escape.. .capacete? nem sabia o que era!

  39. Marcos says:

    Uns amigos loucos rebaixavam cabeçote disso aí com uma lixa apoiada num vidro na calçada da rua de casa, depois montavam e andavam no álcool.

    …usando um spray de WD40 como “nitro”

  40. Tive uma Monark Sachs e uma Motovi com motor Termo ( tremenda gambiarra) . Mas derreti as duas, tinha a mão meio pesada …..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *