ARE BABA

SÃO PAULO(argh) – Por 168 milhões de euros, a Mahindra indiana está comprando a Pininfarina. Acho deprimente. Uma empresa italiana que ficou famosa por desenhar carros para marcas como Ferrari, Alfa Romeo, Maserati, Fiat, BMW, Lancia, Cadillac e Bentley ficará a serviço, agora, de uma casta que faz ronhas tenebrosas e se impõe no mercado graças a uma condição desigual de estar estabelecida em um país de população muito numerosa onde o custo da mão de obra é baixíssimo. Como acontece com a China, também.

Vejam, por exemplo, esse Cisitalia aí embaixo. Está no MoMA, em Nova York. Quando uma picape Mahindra estará num museu? Só se for de horrores.

E não há preconceito algum aqui. É que fico triste sempre que vejo pequenas companhias familiares sendo engolidas por grandes corporações, sejam elas de onde forem.

cisitalia

Comentários

  • Notícia muito triste mesmo. Quando morava no Brasil, tive um Fiat Coupé Pininfarina vermelho durante anos. O desempenho era sofrível, mas o design… apaixonante! O final dos tempos deve estar próximo…

  • Concordo plenamente contigo. Dou um valor imenso a estas pequenas companhias, que fazem seu trabalho de forma praticamente artesanal.
    Odeio com todas as minhas forças essas corporações gigantescas engolidoras de empresas.

    • Para o bem e para o mal. Você deve estar usando uns 20 gadgets, tecnologias, meios, softwares ou apps, sistemas e etc. destas grandes corporações só prá poder postar aqui. Para o bem e para o mal, o problema não são as grandes corporações que tanto odeia, você não viveria sem elas. Precisamos aprender a conviver com elas para mantê-las sob nosso controle. A forma de fazer isso é saber consumir.

      E há ótimas corporações gigantescas engolidoras de empresas que fabricam ótimos e belos carros. Não há a priori motivo algum para que a Pininfarina não desenhe belos carros apenas porque foi incorporada por uma destas empresas, e porque estará em um país pobre. Isto é apenas uma suposição, muito provável, mas apenas suposição.

      E existe uma diferença entre “foi comprada” e “foi vendida”, se eu quiser posso criticar a Pininfarina porque se vendeu. Para o bem e para o mal, quantos lados tem uma noticia, ou um fato? Abraço

  • Ora ,porque a Ferrari ,Fiat ou a Alfa Romeo não a compraram para manter a tradição ou a história, .As coisas as vezes precisa trocar de mãos para melhorar ,para motivar estimular senão estarão fadados a simplesmente desaparecer como estúdio Bertone.
    Acho que agora com aquisição do estúdio veremos com certeza linhas muito mais agradáveis nos veículos fabricados na Índia.Vejamos pelo lado bom Pininfarina vive
    assim como Giugiaro

  • Ora ,porque a Ferrari ,Fiat ou a Alfa Romeo não a compraram para manter a tradição ou a história, .As coisas as vezes precisa trocar de mãos para melhorar para motivar senão estarão fadados a simplesmente desaparecer como Bertone ,Giugiaro (Wolks)
    Acho que agora com aquisição do estúdio veremos com certeza linhas muito mais agradáveis nos veículos fabricados na Índia.

  • Sei não… Se fosse uma grande empresa europeia comprando acho que o discurso seria outro.
    De todo jeito concordo que o conglomerado Indiano faz carros feios. Porém sendo otimista (inocente?) creio que a compra da Pininfarina seja justamente os indianos querendo que a renomada empresa italiana comece agora a fazer os desenhos para eles. Não vejo outro objetivo em se gastar dinheiro comprando outra empresa que não seja utilizar o seu “know how” ou herdar clientes. Aposto na 1a opção.

  • Pelo que entendi da matéria, ou era vendida ou a Pininfarina falia, quebrava, fechava suas portas … ou seja … dívidas enormes nos últimos 10 anos … sem perspectiva de melhora (vide http://quatrorodas.abril.com.br/materia/pininfarina-mahindra-vao-retomar-negociacoes-setembro-892860/ …. http://autoforum.com.br/topic/133830-familia-pininfarina-vende-suas-acoes/ este úmtimo artigo de 2009) … se não fosse a fábrica indiana, a Pininfarina fecharia as portas brevemente … isso sim seria deprimente … é triste, realmente, quando uma empresa familiar (sadia), vai para as mãos de grandes conglomerados … mas não é esse o caso … a empresa familiar estava por fechar as portas …

  • A Mahindra, assim como a Tata, é meio que uma Fiat indiana: fez fortuna vendendo pra classe média, com a diferença de eles terem um mercado potencial algumas vezes maior que a Itália inteira.

    É meio injusto creditar isso apenas à mão de obra barata (claro que é barata sim, ridiculamente barata para qualquer outro país no mundo). Mas eles têm, assim como os chineses, outras peculiaridades que os favorecem nos negócios. E não se pode negar também que estão sendo compententes pra aproveitar a oportunidade que estão tendo.

    O mundo dos ícones europeus, infelizmente, é um mundo pra poucos. E à medida que o resto do mundo cresça, naturalente vai ganhando novos contornos e protagonistas. É da vida.

  • Pois é FG, é por isso que a Mahindra compra um dos maiores escritórios de design do mundo, para deixar de ser uma fabricante de veiculos práticos apenas, sem apelo de estilo e passar para o de fabricante de veiculos de sonhos, que é o que mais vende atualmente, estágio pelo qual já passaram as marcas eupéias (Fiat, Citroen, etc) que até os anos 60 se preocupavam mais com o lado práticos e a beleza era posta de lado, simples assim, ou vc se atualiza ou não sobrevive, e eles reconheceram isso só agora. A arte sempre foi de quem tem mais dinheiro e eles devem ter. Creio que se os italianos não fossem tão prepotentes, poderiam até exportar sua arte sem necessidade de se vender, mas, são tão exclusivistas, tão “”dotori”” que não conseguem, nem tentam, sair do seu casulo, até que vem alguém com um punhado de dólares e os compra. Eu também acho lamentável que a arte, ao invés de evoluir e se internacionalizar, se venda. Tempos modernos

  • Desde que as fabricantes começaram a contratar designers para trabalharem exclusivamente em seus projetos, ao invés de terceirizar este serviço, a Pininfarina perdeu mercado.

    A compra da Pininfarina pela Mahindra e a aquisição da Volvo pela Geely têm um mesmo objetivo: agregar valor aos produtos de quem comprou.

  • Mas Gomes, a Jaguar/Land Rover foi comprada pela indiana Tata Motors e a Volvo pela Geely, da China. E as três são hoje empresas melhores do que quando administradas pela Ford. As operações são mais lucrativas e os produtos muito superiores. Talvez a Pininfarina passe a projetar para muito mais marcas do que projeta hoje.

    • Acredito que não é o fato de a empresa se tornar melhor ou pior, mas sim o fato de empresas com tradição e história não conseguirem mais sobreviver frente ao poder dado ao dinheiro, onde grandes fortunas abocanham tudo e todos, seja por bem ou por mal. Parece que hoje todo mundo considera apenas questões econômicas na hora de tomar suas decisões. Parece que o dinheiro pode comprar tudo. Resumindo: a crítica está na importância que a sociedade dá ao dinheiro.