INDY OU NADA

SÃO PAULO(fica, sim) – Gosto da sinceridade de Tony Kanaan. Com 15 temporadas de Indy nas costas, um título (2004), uma vitória em Indianápolis (2013), o bom baiano faz um bom campeonato neste ano, é o segundo melhor piloto da Ganassi, mas ainda não tem contrato para 2017.

Mas ele não fala em competir em outras categorias. Nem passa por sua cabeça. Gosta de onde está, e diz que não está preparado para correr de outra coisa.

Não é qualquer piloto que assume isso. Normalmente, neguinho fala que corre de qualquer coisa, que o negócio é “ter um carro para ganhar corridas onde for” etc. Cascata. A maioria não consegue pular de uma categoria para outra sem sofrer.

Tony não quer sofrer. Aos 41 anos de idade, sabe qual é o seu lugar. É um piloto que teria dado muito certo na Europa. O destino o levou aos EUA. É lá que ele quer pendurar o capacete, quando for a hora.

E, sinceramente, acho que está longe de ter chegado a hora.

TonyKanaan16

Comentários

  • O Tony Kanaan podia fazer uma temporada na Wheatertech, já que não fez tão feio assim correndo com os protótipos nas 24 horas de Daytona. Quem sabe com um pouco de treino não completa o skill para as corridas de longa duração?

    A pressão não é tão grande quanto nas categorias tops e também não precisa ficar fazendo muitos deslocamentos, já que a categoria corre majoritariamente em solo estadunidense.

  • Caras como Tony, Helio, Dixon e Power ainda são importantes pra Indy. Num país com Nascar, NBA, NFL, etc, esse é um esporte “frágil” lá e precisa de atrações. Tony, além de ser um “três bolas” faz bem esse papel de estrela. A Indy ainda tem esse foco no piloto, diferente da “F-Engenheiros” do Bernie.

    O problema parece ser que a nova geração veio muito fraca e irregular, e isso têm prolongado a carreira desses caras nos arredores dos 40. O Rossi q chegou bem não vê a hora de voltar pra Europa, mas quem sabe…. Estão tentando emplacar alguns outros nomes também, mas tá dificil… O Newgarden faz uma corrida boa pra cada cinco fazendo cagada, o Hinch virou um Perez da Indy, só anda em equipe média, o Andretti queria ser bombeiro e o Rahal anda “quando quer”.

    Enfim, a Indy tem que pensar urgentemente na “sucessão” de suas estrelas porque em breve todos os seus campeões estarão fora.

  • Sem duvida, o melhor piloto tupiniquin pós Senna..
    Se vai parar de correr, só Deus sabe..mas não iremos ve-lo na F1..devido a idade..
    Sacanagem..
    Sem contrato para 2017..volta pra sua terra meu fyu..vai pescar no alto mar.. vai curtir sua familia pois, vce merece o respeito de todos..
    Não foi pra F1..por falta de grana e sorte..Quem sabe tu fecha esse ano como campeão…Pensa positivo..
    Quem chora de mais.. é uns pipi massinha da grobo..visse;;rssssss

  • Tony só para quando quiser. Se por acaso a Ganassi resolver chutar ele pra dar vaga pra outro, ele não fica desempregado. Uma equipe grande que estivesse com vaga em aberto sem dúvida o consideraria, e as equipes médias o disputariam a tapa.

  • Tony é o cara!
    Impressionante nas 500 Milhas de Indianápolis esse ano, quando assumiu a liderança, dava para escutar a torcida (americana) gritando nas arquibancadas pela TV!
    Ele não fica sem correr ano que vem!

  • Não acho q o Tony esteja fazendo um bom campeonato não, muito pelo contrário. Já não vence faz um tempão e é batido com facilidade pelo Dixon em quase todas as corridas, só chegando na frente dele por questões de sorte na estratégia/bandeiras amarelas como aconteceu na última prova.

    • Concordo, acho que o que ele faz nesses 2 anos na Ganassi está aquem do que se espera de um piloto de uma equipe de ponto, ainda mais alguém com o background dele.

      Mas, ainda assim, se for tirar ele de lá teriam que mudar antes os fraquíssimos Charlie Kimball e Max Chilton que fazem menos ainda. Só não consigo entender como uns caras desses conseguem vaga numa equipe como a Ganassi enquanto caras bons como o Hinchcliffe e Graham Rahal ficam em equipes menores.

  • Se for considerar a CART, dá quase 20 temporadas! Lembro até hoje da sua estreia em 98 pela Tasman, com a marcante pintura tricolor, nos anos de ouro da categoria! Eu era apenas um moleque de 9 anos que gostava mais da CART do que da F-1… Bons tempos!

    • Lembro daquela corrida de Michigan que o Max Papis ficou sem combustível na última curva e o Tony passou e ganhou a corrida com o Montoya quase o ultrapassando na linha de chegada. Naquele tempo eu curtia mais que a F1 também.

      E o Teo José narrando: “Não perde mais Max Papis… Perde sim! Perde Sim! Passa Tony! Passa Tony! Não perde mais Tony Kanaan…”.

  • Não sei se o Tony é isso tudo aí não. Sei de uns ataques de estrelismo nas finadas 500 milhas da granja vianna, ao contrário do que falaram do Barrichello. Talvez ele seja legal com quem pode trazer benefícios para ele. Enfim.

  • Esse cara realmente é um dos melhores pilotos brasileiros, nos dias de hoje um dos melhores, uma cara batalhador, como acabei de ler , modesto e sincero e um cara que vai pra cima, na minha opinião um orgulho do Brasil , acho que não tem quem não goste dele, parabens.

  • Tony é o Jenson Button da Indy. Rápido, campeão, boa praça e não faz/fala besteira. Dá pra guiar mais uns dois anos e curtir o pijama na Flórida quando parar. Not bad.

    Ainda pode trabalhar com isso nos EUA, uma escola de pilotos, embaixador da categoria na América Latina, sei lá.

  • Dificilmente as equipes da Indy irão prescindir do talento e da experiência do Kanaan.
    Discordo de você, porém, Flávio Gomes, quando afirma que “Normalmente, neguinho fala que corre de qualquer coisa, que o negócio é “ter um carro para ganhar corridas onde for” etc. Cascata. A maioria não consegue pular de uma categoria para outra sem sofrer.” Na minha opinião cada um pensa de um jeito. O Tony, exemplo, afirmou que “não está preparado pra correr de outra coisa” mas, se não conseguir nenhuma equipe, provavelmente, se prepará para outra coisa mesmo com todo o sofrimento.
    Não acredito que ele irá pendurar o capacete.
    E, parafraseando você: existe vida fora da Indy.