SE PANGS (1)

sepans1SÃO PAULO (ah, a língua…) – Passei horas pensando no título dos posts para a corrida deste fim de semana na Malásia, e por isso demorou tanto o primeiro post.

Vamos a uma aula de linguística para vocês, ó ignorantes.

Como sou um cara antenado, que vive nas ruas, nos busões, no metrô e nos estádios, reparei há alguns meses no crescente uso da expressão “se pá”. Não sei se fora de São Paulo falam isso, também. Parece que a origem está nas gírias do pessoal de hip hop das comunidades.

“Se pá” quer dizer “talvez”, resumidamente. “Pode ser”, “quem sabe”, “se der” etc. “Você vai hoje dar uma volta de Gurgel?”, alguém me pergunta. “Se pá vou”, respondo.

Há uma variável, que nos meus estudos imaginei ser uma adaptação sofisticada para o francês: “Se pans”. Achei que poderia ser algo como “se pensar”, “pensando bem” ou coisa parecida. Mas não é. Porque “pensar” em francês é “penser”, com E. Mas pode ser que a origem seja essa mesmo e o pessoal tenha prestado pouca atenção na grafia nas aulas da Aliança Francesa, achando que “pense” se escreve “pans”, porque é assim que se fala. A forma “pense”, no presente do indicativo, no subjuntivo e no imperativo se diz exatamente “pans”. “Je pense que la Lotus est une merde”, por exemplo, se lê assim: “Gê pans que la Lotús é une mérde”.

Assim, depois de avaliar todas as alternativas, e em nome da modernidade, e também para atingir um público mais amplo neste blog, resolvi fazer um excepcional trocadilho com “Se pans” e “Se pangs”, numa clara alusão ao circuito que recebeu na noite de ontem e na madrugada de hoje os treinos para o GP da Malásia.

Sim, sou um gênio, sei disso, não precisam ficar repetindo.

Bem, foram treinos bem normais, com Mercedes na frente e Lotus quebrada de novo, o que já está dando pena. Se pans, Maldanado e Grojã vão pedir rescisão de contrato. O primeiro vai implorar uma vaga de quinto piloto de testes da Williams e o segundo, para voltar à GP2, onde sempre foi muito feliz.

A novidade é que Ferrari e Red Bull colocaram o pescocinho para fora do engradado. Raikkonen ficou a apenas 0s035 de Rosberguinho. Vettel, a 0s061. Se pans, vão dar trabalho. Mas é uma corrida dura. Muito calor, pneus que sofrem, motores idem (Renault que o diga) e possibilidade de chuva forte, pelo horário da prova.

Os tempos ficaram bem próximos, considerando que a pista é longa e muito peculiar, daquelas que expõem as diferenças sempre existentes entre os carros — os que andam bem em circuitos velozes, os que são melhores em pistas travadas etc; em Sepang, parece que está todo mundo andando decentemente. O intervalo entre o primeiro e o 16° foi de apenas 1s7, com os 11 primeiros dentro do mesmo segundo. É difícil interpretar com muita precisão resultados de sexta-feira em início de temporada, mas achei interessante, isso. O treino de classificação vai ser daqueles em que um ou dois décimos podem significar degola prematura para candidatos ao Q3, o que vai exigir voltas bem próximas da perfeição de todos os pilotos. Se pans, vai ter carro de time forte em posições intermediárias do grid.

E o que mais? Ah, achei legal o logotipo clássico da Esso na McLaren. Falta de patrocínio é isso, permite camaradagens com parceiros antigos.

Daqui a pouco volto, se pans com algumas novidades. Entre elas, a polêmica sobre os benditos sensores que controlam o fluxo de gasolina, que colocou a Red Bull em pé de guerra com a FIA. Agora preciso gravar na TV.

rosberguinhomalasia1

Comentários